O prefeito Anderson Alexandre e mais cerca de 100 pessoas participaram no último dia 22/10 da reunião promovida pela Associação Mico Leão Dourado (AMLD) e a Associação de Moradores de Aldeia Velha com a Auto Pista Fluminense na qual foi discutida a questão da instalação de um trevo rodoviário na entrada do Distrito de Aldeia Velha dentro das obras de duplicação da Rodovia BR-101. O prefeito foi enfático em afirmar que o Município não abre mão de tal instalação, sendo a mesma posição defendida pelos representantes da AMLD, corroboradas ainda pelos moradores presentes. “Mesmo porque queremos fazer de Aldeia Velha o modelo de visitação do nosso projeto turístico e não nos agrada a ideia de termos que ir a outro município (Casimiro de Abreu) para voltarmos ao nosso”, ressaltou o Prefeito. O encontro ocorreu na sede da Reserva Biológica de Poço das Antas (Rebio), localizada em frente à entrada de Aldeia Velha.

            Anderson acrescentou que o município também está trabalhando junto à Auto Pista Fluminense para resolver a questão da melhor maneira possível. “Temos que continuar mantendo a linha de diálogo com a empresa e outros setores, indo inclusive ao governo do Estado buscar ajuda, se for o caso”, informou o prefeito. Durante a reunião ficou decidido que os moradores deverão fazer um abaixo-assinado dizendo que apoiam e querem a implantação do trevo em desnível na entrada da localidade a fim de reforçar a elaboração e aprovação do respectivo projeto. Foi levantada a hipótese, também, de a população partir para manifestações e recorrer até mesmo ao Ministério Público se dentro de dois meses, por exemplo, ainda não houver nenhuma definição quanto à referida obra por parte da Auto Pista.

            O prefeito falou ainda sobre a necessidade de se discutir, também, o que será feito para proporcionar os acessos às localidades de Imbaú, Bananeiras e Caxito, por exemplo. De acordo com o projeto original da duplicação da BR-101 pela Auto Pista Fluminense, só está previsto um retorno em Casimiro de Abreu e outro em Boqueirão (Silva Jardim), distantes um do outro cerca de 30 quilômetros. Participaram ainda da reunião o vice-prefeito, Tião Rocha; e o secretário municipal de Ordem Pública, Denis Pessanha.

            O engenheiro Amaury Viana, representando a Auto Pista Fluminense, explicou as providências que estão sendo tomadas para a implantação do referido trevo no local, assim como os problemas técnicos encontrados principalmente em virtude de o local ser uma área de proteção ambiental e possuir dois gasodutos e um oleoduto da Petrobras. Ele disse que está sendo montado um projeto de construção de um “trevo em desnível” que não agrida o meio ambiente com desapropriações nem ameace as instalações petrolíferas, mesmo porque, em sua opinião, a multinacional certamente não permitirá que se faça compactação do terreno sobre os referidos dutos. Ele explicou ainda que a questão vem sendo tratada com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que fiscaliza as rodovias, e a prefeitura.

            O representante da AMLD, Luiz Paulo, reiterou que a Reserva Biológica de Poço das Antas (Rebio) também entende que o trevo deve ser feito na frente da sua sede mesmo. O que, segundo ele, será inclusive uma questão de segurança para todos, inclusive com a facilitação de deslocamentos de seus agentes em combate a incêndios na vegetação circundante, por exemplo. “É importante entendermos que essa discussão é gerada pela necessidade de termos um trevo aqui”, completou ele.

            Os moradores e membros de outras instituições de Aldeia Velha também questionaram sobre outros assuntos, como o atendimento ao termo “condicionante” sobre o transporte de cargas perigosas, por exemplo, além do direito básico de “ir e vir” que lhes será tolhido caso o trevo não seja construído lá.