Trinta e sete obras, entre “aquarelas” e “natureza morta”, compõem a exposição da pintora Leonair, aberta hoje (20/09), no Centro Cultural Capivari (CCC), em Silva Jardim. São telas que retratam inclusive pontos do Município, como uma ponte sobre o rio Bananeiras, uma estrada na localidade de Imbaú e a entrada do sítio onde reside a mãe da artista, no mesmo bairro. Pintando há 35 anos, a artista, nascida na Bahia e que atualmente reside em Paty do Alferes, diz que se inspira em praticamente tudo para compor as suas telas. Mais de 100 pessoas passaram pelo CCC nesse primeiro dia para verem as obras dela, que estarão no espaço até o final de outubro. A mostra foi aberta pela subsecretária municipal de Educação e Cultura, Regina da Conceição, que agradeceu a presença de todos, parabenizou e enalteceu o trabalho da autora.

            -- Busco inspiração em tudo, até mesmo no Discovery (canal de TV) com suas paisagens, assim como em rios, mares e caminhadas que faço pela cidade. Como tenho uma dificuldade de locomoção, tiro fotos das paisagens e trabalho na pintura em casa – explica a artista, lembrando que a ponte de Bananeiras, por sinal, foi pintada também a partir de uma foto que viu da mesma num jornal local. Alguns dos quadros estão à venda (preços variando entre R$ 350,00 e R$ 750,00), bem como algumas das aquarelas. Outras fazem parte do acervo da família e não serão comercializadas. A maioria das peças é no tamanho 60x50.

            As obras retratam, ainda, casarios antigos, embarcações, pessoas, utensílios, frutas e jóias, além de paisagens da natureza. “O quadro da entrada do sítio eu pintei para a minha mãe, que reside no local há 20 anos”, explicou Leonair. Embora afirme gostar de todas as obras que já compôs, ela admite apreciar bastante as “figurativas”, que expressam pessoas, como a de uma mulher desnuda da cintura para cima. Entre os presentes, ainda, os secretários Paulo Espíndola (Meio Ambiente) e Kátia Peixoto (Educação e Cultura), e o vereador Vivaldo Magalhães de Oliveira.

            A pintora Leonair radicou-se no Rio de Janeiro em 1975. Nesse mesmo ano iniciou seus estudos de desenho e aquarela na Sociedade Brasileira de Belas Artes. Participou de diversas exposições no Estado e seu trabalho faz parte do acervo de colecionadores em diversos países. Atualmente a artista vive em Paty do Alferes.

 Exposições e prêmios

            Medalha de Ouro com a obra “Cabeça de Cristo” pela Prefeitura Municipal de Duque de Caxias (1979); Medalha de Prata no 1° Salão de Artes Plásticas da Casa do Minho, com o trabalho “Mosteiro da Batalha” (Abril/1981); Medalha de Prata em Desenho, na 1ª Gincana de Pintura da Ilha do Governador (Jul/1979); segundo Lugar no Encontro de Pintura “Djanira” da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos do Rio de Janeiro (Jul/1979); Medalha de Bronze em desenho, no XVII Salão de Maio da Sociedade Brasileira de Belas Artes (Maio/1982).

            E mais: Medalha de Bronze no Salão Regional de Artes Plásticas da Aeronáutica, em outubro de 1982. A obra foi adquirida para o acervo do Navio Custódio de Melo; Honra ao Mérito pela Sociedade Cultural e Artística Brasileira na exposição coletiva realizada no Hotel Luxor Copacabana (Jun/1981); Menção Honrosa na Mostra de Arte da Inspetoria da Receita Federal no Porto do Rio de Janeiro (Dez/1978); Menção Honrosa em desenho, no 1° Salão Nacional de Artes Plásticas da Associação Brasileira de Desenho e Associação Brasileira de Imprensa (Ago/1977); e Menção Honrosa em pintura, no XXII Salão Valenciano de Artes Plásticas (Nov/1977).